+3 votos
67 visitas
em Curiosidade por Prata (25,7K pontos)
Por conceder bolsas aos desportistas?

O custo com a educação daquele aluno através das bolsas, e compensado de qual forma? As competições tem uma boa retribuição financeira afinal, ou a faculdade ganha no marketing, ficando famosa nos esportes o que por consequência atrai os alunos, mesmos os não desportistas?

Entre ou cadastre-se para responder esta pergunta.

1 Resposta

+1 voto
por Bronze (12,4K pontos)
selecionada por
 
Melhor resposta
Sem nenhuma pretensão de esgotar o assunto, tenho 3 observações a fazer...

1) Como é que se faz uma conta de Custo do Serviço Prestado (CSP) em uma universidade? É assim... Há custos de patrimônio, que representam quase a metade do custo toal (as salas de aula, os móveis, os equipamentos, os livros da biblioteca, o laboratório, etc.); há os salários, que representam quase a metade também (professores, coordenadores, staff administrativo, etc.) e há os insumos, que representam menos de 5% dos custos totais (por exemplo: quanto mais alunos, mais insumos de laboratório serão necessários). Ao fazer a conta de quanto custa, imagina-se, por exemplo, que o CSP de um curso é equivalente a "100"...  E que a mensalidade será de "2,5", o que significa que 40 alunos "pagam" o curso. Considerando que haverá alguma inadimplência e algumas desistências, é razoável supor que 50 vagas tornam o cursos saudável (para a realidade dos EUA; no Brasil, a evasão é muito grande).

Pois bem... Nessa estruturação de CSP, quanto custa adicionar um aluno que não paga nada???? Custa muito pouco... Custa quase nada. Mesmo o acréscimo de 4 ou 5 alunos não-pagantes significa pouco: a sala de aula já está lá, a biblioteca e o laboratório já estão lá, o salário dos professores terá de ser pago de um jeito ou de outro... Tudo está pago. Os alunos não-pagantes representam um volume chamado tecnicamente de "custo marginal", ou seja, o custo total aumenta, mas de maneira irrisória.

2) Há uma tradição fortíssima de COMPETITIVIDADE nas escolas dos EUA. Não há paralelo na cultura brasileira. O que há de mais parecido com isso no Brasil é a competitividade entre clubes de futebol. Lá nos EUA (e na Inglaterra também), os alunos defendem suas escolas ou faculdades visceralmente. Os executivos de cada escola também.

3) Algumas bolsas não são esportivas. Há escolas que nem têm times de qualquer esporte, mas oferecem bolsas para alunos excepcionalmente talentosos que surjam pelo mundo afora. A faculdade quer ter gênios em seu grupo, quer que seus alunos sejam os mais "inteligentes" e que vençam Olimpíadas de Conhecimento.

Resumindo minha modesta opinião: quanto à tradição de concessão de bolsas esportivas nos EUA a questão é menos de economia ou de grana e mais (muito mais) de cultura de competitividade. Não estou dizendo se isto é bom ou ruim, só estou dizendo que esta é a minha modesta percepção.
por Prata (25,7K pontos)
Então, na sua opinião, fazem isso pela competitividade em ser campeões nos esportes, e não necessariamente pensando no retorno financeiro já que não há um grande custo?
por Bronze (12,4K pontos)
Sim, é isso mesmo...
... Mas não é mera questão esportiva... Para nós, brasileiros, o aspecto esportivo na universidade parece secundário, parece desimportante, chega a ser quase anedótico... Mas para eles é coisa seriíssima.

Pense, por exemplo na competitividade entre Oxford e Cambridge... As duas são educacionalmente espetaculares, não há como dizer "esta é melhor que aquela"... Mas a competição de remo entre as duas vem do século XIX, é quase uma questão de vida ou morte... Para qualquer um dos dois, perder no remo é altamente frustrante... Quando uma das duas começa a perder demais, a fama de "freguês" é insuportável. Também é assim no basquete para algumas universidades dos EUA, ou no atletismo para outras...

É uma cultura totalmente diferente da nossa. Está associada à tradição grega de "gymnasium", o lugar no qual  os homens jovens faziam treinamento atlético e intelectual... Não bastava ter um grande intelecto, era preciso também ser um grande atleta, e vice-versa.

Sendo assim, faço um acréscimo ao seu comentário: não se trata de competitividade nos esportes apenas, é competitividade no sentido geral...

... Mas, sim: ninguém pensa em retorno financeiro.
Quem pode pagar, paga (e sustenta a escola); quem não pode pagar, não paga (desde que tenha um desempenho esportivo ou intelectual brilhante, em nome da competitividade).
por Prata (25,7K pontos)
Vish!

Imagino então, como até hoje, a galera de Iowa zoa a galera de Oklahoma, por Cael Sanderson (terminou a faculdade invicto. Mais de 150 vitórias. E foi campeão olímpico também) ter vencido 6 vezes o Daniel Cormier (sendo 60% das derrotas de DC), atual campeão peso pesado do UFC, e ótimo wrestler também.

Perguntas relacionadas

+5 votos
1 resposta
perguntado 10 Jun, 2018 em Curiosidade por Afro Samurai Cobre (6,9K pontos)
+8 votos
5 respostas
perguntado 20 Abr, 2018 em Curiosidade por Bye. Platina (82,9K pontos)
+8 votos
6 respostas
perguntado 4 Dez, 2017 em Curiosidade por Ray Platina (75,1K pontos)
+5 votos
13 respostas
Seja bem vindo ao Gloove, seu novo site de perguntas e respostas. Crie uma conta gratuita e participe!
Usuários online
...